Vitória passa a vacinar crianças com comorbidades, deficiências permanentes e todos a partir de 11 anos

Nesta quinta-feira (20/01), a Prefeitura da Vitória de Santo Antão liberou o cadastro para vacinação contra Covid-19 em crianças com comorbidades (confira lista abaixo) e deficiências permanentes, além de dar início à imunização para todos a partir dos 11 anos. O agendamento deve ser realizado através do site www.vacina.prefeituradavitoria.pe.gov.br.

O grupo é vacinado exclusivamente com a da Pfizer pediátrica, única autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para diferenciar das doses dos adultos, o frasco tem tampa laranja. São duas doses a serem aplicadas, com intervalo de oito semanas entre elas.

A secretária de Saúde, Bruna Dornelas, destaca a importância de vacinar essa faixar etária. “Com a vacinação das crianças há a possibilidade de reduzir a circulação do vírus. Vaciná-las é, então, um importante passo para chegarmos a imunidade coletiva. Ressaltamos que a vacina é segura, já tendo passado por vários testes e sendo autorizada sem restrições para o público a partir dos 5 anos”, explica.

Para que as crianças com comorbidades e deficiências permanente possam se vacinar, é preciso apresentar laudo médico ou declaração que tem modelo disponível no site. Nos locais de vacinação, serão exigidos documentos de identificação dos pais ou responsável, bem como certidão de nascimento da criança. Na cidade, a vacina infantil está disponível na Policlínica Dr. Hélio de Andrade, no Livramento, e no Vitória Park Shopping.

Confira a lista de comorbidades: 
Comorbidades:
Arritmias cardíacas;
Cardiopatia hipertensiva;
Cardiopatias congênita;
Cirrose hepática;
Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar;
Diabetes mellitus;
Doença cerebrovascular;
Doença renal crônica;
Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas;
Hemoglobinopatia graves;
Hipertensão arterial resistente nos estágios 1,2 e 3 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade;
Imunossuprimidos;
Insuficiência cardíaca (IC);
Miocardiopatias e Pericardiopatias;
Pessoas com doença renal crônica em terapia de substituição renal (diálise);
Pessoas com obesidade mórbida (IMC > ou = 40);
Pessoas transplantadas de órgão sólido ou de medula óssea;
Pessoas vivendo com HIV;
Pneumopatias crônicas graves;
Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados;
Síndromes coronarianas;

Valvopatias.

Foto: Lays Freitas/PCVSA

Skip to content